fbpx
Relatos de Viagem

Viagens pela Amazônia BR 319


––––––––––––––––––––––––––––––

Assista no Youtube
––––––––––––––––––––––––––––––
viagem amazonia:
––––––––––––––––––––––––––––––
E aí [Música] E aí E aí [Música] e a rodovia br-319 foi criada para ligar o estado do Amazonas ao resto do Brasil o projeto fazia parte de um Programa de Integração Nacional criado pelo governo militar na década de 70 depois de receber o tráfico de veículos por 15

Anos a rodovia se perdeu em meio à floresta aos buracos EA falta de manutenção quem se arrisca a viajar por ela tem que estar preparado para viver uma verdadeira aventura foi esse desafio que nossa equipe enfrentou em 4 dias de descobertas pelos 879 km da BR 319 entre

Porto Velho e Manaus onde fica o quilômetro zero o Amazon Sat foi a única emissora de televisão a percorrer todos os 879 Km da rodovia e mostrar a realidade de quem vive o drama do isolamento e você vai assistir agora no viagens pela Amazônia e E aí [Música] E aí E aí

E aí o projetado e executado durante o governo militar brasileiro dos anos 70 e 80 a rodovia federal BR 319 rasgou a Amazônia de Norte a Sul em direção ao epicentro financeiro do Brasil a319 juntamente com a Transamazônica Rodovia br-230 fazia parte da ideologia de integrar para não entregar ou seja

Colonizar a Amazônia mas nada pretendia ligar a capital do Amazonas Manaus ao resto do país me ligou depois de 15 anos de tráfego diário a decadência buracos começam a aparecer sem manutenção preventiva em menos de um ano o tráfico fica comprometido passados quase 30 anos Este é o atual estado da rodovia e

E aí E aí e se arrisca a traça gala tem que estar preparado para uma verdadeira aventura é esse desafio que nossa equipe enfrentou em 4 dias de descobertas pelos 879 km da BR 319 de Porto Velho em Rondônia e Manaus no Amazonas Onde fica o quilômetro zero Saímos de Manaus em uma

Quarta-feira de avião rumo a capital do Rio Madeira Porto Velho depois de quatro dias acertando os últimos detalhes é hoje o grande dia é amanhã de domingo estamos acompanhados do casal de jipeiros que vai ser o nosso apoio durante a viagem e a Picape com tração 4 por 4 é Nossa

Outra companheira a parte de trás uns mantimentos e acessórios pé na estrada nós estamos em Porto Velho capital do Estado de Rondônia e daqui vamos partir em direção a Manaus para mostrar a situação que vive os moradores ao longo dessa estrada o que que nós vamos

Esperar a partir daqui de Porto Velho do ruim ao pior são 600 km de atoleiro puro atoleiro muitas Pontes o perigosos caindo e vamos pedir a Deus que tudo corra bem E chegamos em paz vamos balsa o primeiro Rio é o madeira que serpenteia floresta e deságua no

Amazonas aqui é o início da Projetada hidrovia do Madeira essas barcaças levam soja para o porto graneleiro de Itacoatiara no Amazonas G1 e já nos primeiros quilômetros fazemos nossa primeira parada vamos seguir a recomendação do jipeiro leonai é hora de nos proteger da malária é lá que detalhe

É esse aí você botou o que na água para que que é isso três gotas de querosene que segundo o médico japonês aqui na Bolívia me de cor que com três gotas de que usei durante três dias você não pega malária que realmente ou até hoje tô com

50 anos de idade já trabalhei muitas áreas de risco e nunca peguei umas três gotas que eu do Frozen e água vamos vamos tomar esse tudo para não pegar malária G1 é só para não pegar malária né então nós somos uma área de risco e e se a dose nosso cinegrafista essa

Daqui ó para ele Olá Tudo começa bem o asfalto dos primeiros quilômetros cria uma falsa impressão da estrada a realidade não demora com cerca de 50 km rodados surgem os primeiros buracos alguns com tamanho suficiente para engolir O carro e E aí e o trecho que estamos percorrendo entre

Porto Velho e Humaitá no Amazonas a primeira parada da viagem São pouco mais de 200 km tem condições variáveis de tráfego uma parte somos brindados com asfalto em condições de uso tem outra a estrada Parece mesmo é com o tabuleiro de pirulito cheia de buracos e

A quem precisa da rodovia sofre toda vez que utiliza o carro esse rapaz é médico moro em Porto Velho mas trabalha em Humaitá A cada 15 dias faz a viagem sabe bem os problemas desse trecho Como é que tá a estrada aí é horrível horrível carro pequeno só nesse trecho só até os

80 primeiros km de Porto Velho para cá a obra lá tá muito ruim mesmo tem que nesse mesmo alinhamento balanceamento de acordo com as placas fazem menos de três anos que o serviço de manutenção passou por aqui ou pelo menos deveria ter passado buracos tomam conta da pista nessa área encontramos homens

Trabalhando eles estão recuperando o bueiro aparentemente destruído pela chuva E aí E aí começa a quebrar essa parte aí tá quebrando que amanhã nós estava bem fresco sua previsão do tempo aqui era tudo é fechado Pelo jeito a manutenção ainda não acabou perto de Humaitá cruzamos com algumas máquinas paradas

Próximas à Rodovia essa estava dentro do terreno onde mora a família do paranaense Sil Silva então essa máquina tá aí já quanto tempo parada essa máquina deixar aqui foi sexta-feira sexta-feira eles pararam o serviço aqui devido deu uma chuva muito grande né e não teve como continuar tá passando

Agora mas eu acredito que eles vai voltar aqui agora seu cilso vive há cinco anos com a esposa e os cinco filhos nessa casa de madeira durante esse tempo já enfrentou momentos difíceis por causa da estrada uma vez teve que caminhar várias horas em busca de atendimento médico ele teve época

Aqui de paz em 3 horas para chegar em Humaitá aqui tá perto de Humaitá até 60 km eu tenho Mai tá Encontramos uma cidade ainda ligada ao passado Áureo da 319 muitos moradores guardam a lembrança desse período alguns mais outros menos se hoje o Mai tá tem cerca de 40 mil

Habitantes no passado teve muito mais a promessa do Governo Federal de prosperidade atrair um fluxo muito intenso de imigrantes uma das pessoas acreditar num sonho do desenvolvimento foi esse gaúcho de São Borja chegou na região em março de 1980 foi um dos primeiros da família holder a largar

Tudo no sul para vir morar em plena Floresta as fotos mostram a primeira moradia Às Margens da rodovia depois eu a primeira casa por fim o primeiro susto os animais selvagens e a malária eram a maior preocupação quantas malas acho que nada sei’ disseram que ficou um único

Fica fica as fotos ainda mostra o primeiro investimento da a nada os rohleder foram donos dos três principais postos de combustíveis da 319 hoje o que restou e mato a ferrugem eo abandono em eu vou lá hoje mesmo a gente tem mais perto vai tentou sair lá de estar fazer

Quando o senhor me dá vontade de sentar e chorar mesmo porque a gente deixou muito suor a gente é muito sonhos Ficaram para trás porque nós era para ser uma família muito bem estruturada que no Amazonas você vê por causa disso não que a gente não pode mais essa é uma

Grande Marco e o nosso governo deixou Federal desse causa da BF aberto e hoje a gente sonha sempre veja fala de rua você que nem São Thomé eu só vou vou acreditar o dia que eu ver que eles vão abrir essa estrada porque Promessa é de promessa eu já tô cansado

Bom obrigada deixar o sonho para trás a família veio se refugiarem Humaitá como não podiam abandonar o compromisso de prosperar o jeito foi recomeçar logo os Roller passaram a ser conhecidos na cidade como estes aí nós tivemos Capela para vir para cidade para sobreviver na cidade conhecemos trabalhando com

Recursos que a gente tem berço trabalhando começamos com carne casa de carne hoje ainda mexo com carne eu mato o boi esse aqui a mercado tipo hoje ele ele é ele é desbravador e nós viemos para cá para fazer o progresso do esse desse Amazonas e do Brasil né ainda aqui

O muay thai encontramos um engenheiro civil aposentado que trabalhou nas obras da br-319 se Homero Oliveira o engenheiro do extinto Departamento de Estradas E rodagens trabalhou diretamente na obra entre 1971 1973 e acompanhou de perto o processo de deterioração da rodovia essa fiz e era cargo do governo federal mas o

Programa talvez nem fosse usam programar o excesso de carro que as carretas passavam você mal o grande mal da região principalmente a região norte é a falta de balança então você não controla casa não tem estado aqui em Recife eu te digo que aconteceu que a conservação não foi

Altura do que estava necessitava agora o motivo Realmente eu não sei não manutenção que segundo o seu João Roland só serviu para destruir o que restava da camada asfáltica é a rasgavam as falta o bom e botava um material com outro ela tirava um asfalto bom e depois voltava

Como vocês vão passar agora pela rodovia vamos ver vários trechos que tinha asfalto e hoje tá tudo no chão contudo Grama só que era as fotos que essa companhia atirou thiaquinho Humaitá nossa primeira parada da viagem e depois do intervalo você vai conhecer as pessoas que insistem em morar ao

Longo da br-319 as histórias são muito diferentes igual mesmo só o sofrimento de quem se aventurou a cruzar a selva amazônica AM E aí e amanhã a viagem continua e o carro de apoio dos nossos repórteres sofre a primeira baixa Márcio Azevedo e Orlando Júnior aproveitam para conversar com os

Moradores da br-319 pessoas que se aventuraram a cruzar a selva amazônica em busca de um futuro melhor mas só encontraram que histórias e sofrimento E aí E deixamos Humaitá para trás a buraqueira é um prenúncio do que vem por aí ó a rodovia que estamos agora não vai a319

E cinco a230 a Transamazônica nesse trecho da rodovia corta Floresta em direção ao município de Lábrea no sul do Amazonas após rodarmos 230 Km Chegamos em um ponto de encontro de traços da história brasileira aqui encontram-se as duas maiores obras do projeto de integração nacional para a Amazônia a

Br-230 a Transamazônica e a319 que liga Porto Velho a Manaus por onde pretendemos seguir hoje ambas encontra-se quase que em Total abandono precisando de uma atenção especial por parte do governo federal e as placas são da época da inauguração período em que o fluxo de automóveis na estrada era grande pessoas que se

Aventuravam a cruzar a selva amazônica Em Busca das Lendas da Metrópole Manoel esse e sua zona franca pessoas como esse casal que saiu de Minas Gerais em direção à Manaus sem querer da entrevista o casal partiu rumo ao desconhecido A Conservação da estrada nessa parte nos surpreende Afinal são vários quilômetros

De asfalto novinho mas tudo que é bom dura pouco depois de aproximadamente 30 km voltamos a realidade Afinal são mais de 30 anos de abandono e mas não teve jeito sofremos a primeira baixa nosso carro de apoio quebra e tiro amortecedores vai se você não tiver recursos a saudade né

Quem te persegue a E aí e pensam Rodrigo tá preparado para qualquer tipo de como é que foi como é que aconteceu aquele buraco lá atrás daquele grandão eu pensando que ele era errado aí ó E aí percebeu na hora que eu não na aurita Maurício batendo vim aqui porque

Vocês vão perto né mas se compromete o momento nossa viagem aí o que que você fez isso eu só que é o amortecedor para Onde tiver recurso em total do circulante vai embora daonde mais próximo mas é aqui perto Manaus 600km em E aí E aí

O problema só não foi maior graças à Resistência do carro já esse aí não conseguiu vencer a319 o tempo se encarrega de destruí-lo E aí G1 e a hipótese da retirada de parte da camada asfáltica da rodovia 319 parece ser verdadeira Nesta parte da estrada vemos bem esta diferença aqui o asfalto

Ainda se mantém o tempo já neste outro trecho é puro Barro ao longo dos 15 anos em que esteve trafegável a319 foi a morada de muitas pessoas algumas chegar no início roupas tempos depois nesse grupo que encontramos na beira da estrada muitas são as histórias igual só

O sofrimento que mora aqui é sofredor teimoso trabalho é bem mano tem que não é não Ah pois é quando o assunto é 319 os ânimos mudam ainda mais porque todos aqui estão acompanhando o ar do processo de reconstrução da estrada que eu Manoel Rodrigues é o mais indignado Quantos

Anos a 6 anos eu tô sofrendo aqui daqui não tem mais jeito aqui não tem não ó é só quem vive aqui tá aqui ó quem veio aqui que sabe a situação que nós passa é porque aqui não é fácil não vai agora tá bom que é verão né Agora eu vou pegar

O Inverno Acabou de chegar à região fica chateado com a demora na solução para os problemas da rodovia o piauiense Antônio conta que ainda está na 319 E por que não tem para onde ir todo o dinheiro que economizou investiu no lugar mesmo com todas as dificuldades agricultor ainda encontra forças para sorrir

[Música] em alguma coisa que a gente arrumou uma briga aqui e aí fazer o que é porque aí ninguém quer quase comprar um sítio aqui vem de fora comprar um sítio aqui porque ele é dificuldade né aí vai fazer o quê aí ele não CD de chorar que ainda não tá

Chorando chora você que já tá aí pronto quem não tem tanta força assim essa agricultura de 67 anos dona Silvia Borges é mais uma na estatística negativa da 319 o marido que estava com suspeita de malária foi obrigado a ir de bicicleta até Humaitá em busca de

Atendimento do sítio até o hospital mais próximo são 85 km é agonia de quem não tem a quem pedir ajuda quanto tempo ela tá nessa luta é com seis anos essa tela Lembrando que ele tava falou que ia abrir essa estrada nunca abriu a estrada nós vamos passando trabalho na mas

A manutenção de um gado que tá aí e pronto só as esperança então todo depositado aqui ao longo da 309 esperança de melhorar mas parece que não vai fazer estrada nós estamos esperança de fazer em nome de Jesus se Deus quiser com o marido fora Dona Silva dividir a

Casa confiro que está passando apenas uma temporada e com o caseiro Seu José loia a família cria algumas cabeças de gado sempre com a situação financeira aperta a venda da Carne é a solução já os pequenos animais acabam servindo como alimento vender dois três gado aqui o

Cara não quer vir aqui por causa da estrada ruim aí tem o frete aí não compensa né o cara vender ele vai ter que aguentar matar aqui um vender devagarzinho que uma pessoa troco serviço é o que mais foi feito aqui é porque é muito é muito cansativo aqui

A gente sofre demais aqui você vai aprender TV eu não vi não a gente também já vem do lugar sofredor né aí a gente que a gente lá no Piauí muito sofrido a gente viajar muito cuidado assim até tocando para feira a gente já acostumou bom e aonde a gente a gente acostumada

Sofrer não se dá muito mal que acostumar né é mas tem hora que a gente sente que que as coisas de ver melhorar um pouco Ah mas tudo é do jeito que Deus quer né A gente temos que acompanhar não é do jeito que a gente quer se fosse um lado

Era muito bom teria o lado ruim é que às vezes a gente quer uma coisa que não é o suficiente né mas não é fácil não eu aceito Vai vendo eu avisei a dessa 300 como a ordem improvisada fornece o complemento da alimentação nada de luxo só o essencial a energia por exemplo

Depende do gerador que isso é ligado no final do dia é quando a TV informa as novidades Ainda há Tempo para histórias como a da onça pintada que ronda o sítio segundo conta o seu herói a veio aqui nessa aí veio aí pegou bem aí gente uma

Casa e outro pintado então aí foi feito por dentro e nunca mais lavei E aí eu gostaria que não vê nem o Rastro dela mas quando ela talvez uns tempo por aqui e depois lá muito eu saiba do campo aí quando a gente diz cuida aí ela paga

De novo vocês estão criando pouco para onça que queria só pra gente a gente tem que criar um pouquinho pra quem não trabalha né aí a mexer no trabalho ela vai ter como ele engana aí não acha bom mas fazer o que tem quanto a onça não

Vem é hora de se despedir e seguir viagem Antes de sairmos Dona Silva nos para e faz um pedido emocionado e eu acharia 15 dias no pessoal dar uma força da ajuda para nós abrir essa estrada para nós que nós estamos precisando se tiver Muita Gente é muita

Gente morreu aqui a minha aqui a nossa muita gente aqui morreu sem as urso sem curso que não tem Estrada como que vai fazer nós fazer essa situação daqui do jeito que tá aqui ó e a parada além de boas histórias nos vendeu uma dica para resolver o problema

Do nosso carro de apoio fomos avisados da presença de uma Madeireira trabalhando bem próximo à Estrada lá iríamos achar as ferramentas para o conserto e o olho que a chama uma Serraria em pleno funcionamento chegamos no final do expediente mas ainda havia muita gente trabalhando enquanto jipe é consertado

Aproveitamos para andar pelo lugar acabamos descobrindo que a empresa tinha sido fechada pelo Ibama recentemente é que ela está localizada numa área menos de 10km de uma reserva de conservação o carro fica pronto e seguimos viagem hoje à noite quando pedimos abrigo nessa casa para nossa sorte O lugar é o mesmo onde

O agricultor Manoel Perneta toda vez que está por essas áreas e na companhia dos novos amigos e de barriga cheia é hora de descontrair na falta da Tv adversão Vem forma de histórias eu não sei não eu acho que ele fez para em Salvador e tem os porquinho para tratar de da

Perninha antes tem cachorro cachorro até chegar na gente ela já tava perguntando se aí tem uma que tá podre o sono chega vai ser a primeira noite na estrada a gente hoje andou pouca coisa né paramos aqui para pernoitar a família aqui nos acolheu muito bem né já Jantamos já

Fizeram foi possível para a gente a gente vai dormir eu barraco um pouco improvisado mas é que aqui na 319 ou para na casa de alguma família que procura colher ou então tem que dormir nas suas da Embratel para isso lá e agora a gente vai dormir que amanhã tem

Mais 319 para gente seguir boa noite e a manhã do terceiro dia da viagem pela br-319 só agora é que temos uma noção de onde passamos a noite só agora também é que podemos conhecer melhor nossos anfitriões Seu Mauro Acácio é o chefe da família casado e pai de quatro filhos o

Agricultor não vê a hora da estrada ficar boa novamente essa estrada asfaltada de novo Tem uma esperança todo mundo tem esperança né Mais ou menos melhorar aqui pelo menos escola né né E era uma força né e mande mais outras coisas também né é um negócio de vender

Abacaxi banana e tal nessa coisa assim melhorar né mas não quer saber se vai sair mesmo não sabendo os seus olhos estão parados ou só isso é com a luz do dia conhecemos um morador ilustre essa plaquinha o mascote da casa um animal foi trazido da Mata por Wagner o filho

Mais velho do casal aí cheguei lá tava morta tava lá no buraco Aí eu matei a mãe é bicho tava pulando na frente da mãe dela e fez uma cesárea na placa foi dormir e A informação é é o nome dela o nome dela é menina meu Deus pedimos o pessoal e

Seguimos viagem até aqui percorremos pouco mais de 300km Ainda faltam mais de 500 a pior parte ainda está com dúvidas em e a paisagem parece não mudar buracos atoleiros e Pontes em quase ou nenhuma manutenção uma verdadeira aventura enfrentada pela equipe do amazon Sat para mostrar a você as histórias do povo

Amazônida não saia daí Porque o viagens pela Amazônia volta em instantes [Música] E aí [Música] E aí e são 879 km de rodovia com a mesma paisagem mato muito buraco e abandono mais uma imagem chama a atenção de nossos repórteres um Andarilho em plena selva amazônica EA ansiedade de chegar a

Manaus leva a equipe a enfrentar atoleiros e Pontes em péssimas condições e em abril a blusa tá conversando do terceiro dia de Nossa Aventura trecho que vamos percorrer hoje é considerado o pior de toda a viagem se chover nossa situação pode complicar-se por enquanto nenhuma gota d’água mas o céu amanhece

Carregado Vamos torcer para que o sol apareça lá eu tô não tô não a galinha e ainda não chegamos nem na metade da viagem nossa previsão é de que vamos precisar de pelo menos mais dois dias para completar o percurso no auge da rodovia viajar entre Porto Velho e

Manaus não Durava mais que 10 horas já estamos com quase 72 de Manaus ainda está longe E conforme íamos penetrando no coração da floresta percebemos como ela é soberana em algumas partes da estrada o mar se transformou a rodovia federal em uma trilha no meio da selva com direito

A exibição de animais selvagens esse aí nem se importa com nossa presença o Mutum caminha tranquilamente no caminho que já foi dominado pelos carros é quase hora do almoço quando fazemos a primeira parada do dia só que não vamos almoçar paramos para conhecer um pedaço dos sonhos da família holder aquela que

Conhecemos em Humaitá Esse é um dos três postos de combustíveis e a família possuía ao longo da 319 as flores que ornamentavam o lugar que tem muitas fotos deram lugar ao mato e ao aviso é E aí [Música] é o preço do combustível ainda está na

Bomba a gasolina custava 19 e cruzados o litro aqui motoristas faziam Parada Obrigatória para seguir para Porto Velho ou para Manaus foi no posto Picchia que a família Ronda depositou seus sonhos que dá vontade de sentar lá e chorar mesmo porque a gente deixou muito suor a

Gente é muito sonhos Ficaram para trás porque nós era para ser uma família muito bem estruturada que no Amazonas deixamos o piquiá para trás é daqui para frente vamos estar percorrendo o trecho mais isolado da viagem é G1 o que morava por essas bandas foi embora pelo que contam não sobrou ninguém passa

De uma da tarde quando paramos para almoçar descemos do carro quando de repente Levamos um susto [Música] é só falta fala e o animal apareceu do nada uivava e latia desesperadamente parecia pedir socorro É mas o que ele queria mesmo era a comida Assim como nós no cardápio do dia

Farofa de frango comemos rápido precisamos partir ainda não chegamos nem na metade da viagem nós estamos prestes a completar 72 horas de viagem e a paisagem é a mesma buraco mato e abandona visão que se repete quilômetros após quilômetros de repente avistamos uma imagem Fora do Comum Fomos

Nos aproximando isso aí vimos o que era era um Andarilho Foi um momento de tensão eu e o repórter cinematográfico Orlando Júnior ficamos apreensivos mesmo sem saber qual seria a reação decidimos parar e fazer contato E aí o meu parceiro tem água aí ó G1 e Não desistimos e tentamos novamente ó

O Andarilho não quer conversa segue em frente passo a passo em direção a algum lugar que só ele sabe onde fica diferente do Andarilho temos um destino certo Manaus o tempo muda e começa a cair a primeira chuva da viagem nada muito forte do jeito que veio foi sorte

A nossa ou Chegamos nos primeiros atoleiro Essa é a hora da verdade para mim para o carro marinheiro de primeira viagem a cada atoleiro o coração dispara o medo de Apolar é grande só não é maior por causa da presença experiência do nosso guia o café pequeno olha até agora essa daí

Essa daí foi uma das assim mais perigosa né a nossa sorte é que ainda não ainda não choveu mas tô somos que não chova porque do jeito que tá essa Toledo se tivesse ouvido era bem fácil identificar realmente estamos no pior trecho da estrada por aqui só carro 4 por 4 que

Insiste em prosseguir acaba como o casal que encontramos na saída de Humaitá se o cat eu tiver a certeza que ela tá desengatada gente amarrar com o cabo de aço puxar vou deixar ele aqui sem fazer essa boa ação para ele não tem ele aí só

Um de nós para tirar mesmo que você quer pouco carro foi abandonado dentro de um atoleiro vai ser mais um a envelhecer junto com o a319 e e continuamos a viagem a estrada piora cada vez mais nessa parte a319 é apenas um buraco a E aí E aí E aí G1 E aí

E o dia de hoje não foi muito proveitoso conseguimos percorrer apenas 140 Km E olha que tivemos sorte Se tivesse chovido não teríamos andado nem a metade a noite chega e ainda estamos na estrada é praticamente suicídio dirigir no escuro da 319 seguimos cautelosos iluminados apenas pelo farol do carro e

Pela lua e surge tímida no Crepúsculo do do dia finalmente achamos o lugar para dormir é uma das vinte e Torres de telecomunicações que interligam os estados do Amazonas e Roraima com o resto do país para nossa sorte havia um funcionário da empresa pernoitando no local pelas previsões se tudo correr

Dentro do esperado amanhã nesse mesmo horário estaremos chegando em Manaus sob o olhar da lua cheia Montamos acampamento e passamos a noite E aí E aí e o dia amanhece desmontamos o acampamento e pegamos a estrada o dia é de muita expectativa estamos anciosos para chegar a Manaus mas sabemos que

Tudo vai depender do clima de como vão se comportar nossos carros os obstáculos não acabaram ontem foram os atoleiros hoje são as fontes muitas em péssimo estado de conservação nessa aqui paramos para avaliar as condições né e essa Ela ainda tá boa e as que tem que reconstruir para poder voltar E aí

G1 E aí fazemos um pequeno reparo e Passamos um de cada vez e E aí E aí E aí E aí E aí e a situação a estrada só não é pior graças ao trabalho de conservação bancado por uma grande empresa de Telecomunicações é uma pequena parada para reabastecer

E seguimos em frente a previsão agora é que a estrada melhore E aí e nessa parte encontramos o pessoal que faz a manutenção da rodovia para a empresa de telecomunicações eles estão com problemas um dos carros está com o diferencial danificado vocês faz as fotos que estão por buraco na estrada e

Vai limpeza na colocar aqui no meio da estrada que dia que vai lá e 30 até a estação de Brasil lá é o 500 né 402 por isso não quase 400 até o quanto sendo a torre do Brasil nos deparamos com uma realidade curiosa esse grupo faz o

Trabalho de tapa-buracos O problema é que por aqui não existe pedra e o jeito é improvisar e eu estou aqui trabalhando aqui nós estamos aqui hoje tá com uns 20 dias 20 dias já estamos com 10 km para cá vamos levar até o Rio Novo a equipe de tampa o buraco e quando

Chove como é que fica quando eu achava fica tudo cheio de água a gente sai com um cavador sai abrindo as velas em frente aí quer parar de escorrer a gente vai trocando o trabalho é apenas paliativo para o lugar de onde saiu o asfalto logo vai virar o atoleiro que

Ele está com hoje um ciclo que vai continuar até a recuperação total da estrada com asfalto torna a apparecer já nem lembrávamos que ele existia aproveitamos para tirar o atraso da viagem estamos chegando numa comunidade às margens do rio igapó-açu nossa felicidade é dupla primeiro porque a pior parte ficou para trás segundo

Porque estamos a pouco mais de 200 km de nosso destino final tem quanto a balsa não chega vamos em busca das histórias da comunidade aqui vive aproximadamente 150 famílias muitos viveram a época Áurea da rodovia e guardam na memória esse e daí Adorno tenho 15 anos mais ou menos

Foi a coisa tomou 15 ano né aí aí começou né Aí começou a ficar ruim se ficar ruim mas ainda ficaram mim mas devagar e os ônibus também parar aí foi até que ninguém Claro menos aí e se acabado Deus me livre rapaz até daqui para nós aqui Mateus masculinas e não sair

O que comprar aqui na porta ah e hoje é hoje em dia não é maior dificuldade eu aqui no caminhãozinho que arrasta mais daqui tudo as quarta-feira para gente fazer compra lá na naquela Vila próxima aqui que é o castanho só acho que essa estrada volta o nosso eu

Gostaria de ver se a estrada funcionar de novo rapaz eu bactéria mesmo Deus ele é o campeonato até tá com 2 anos 3 anos que disse que vão vamos vai reabrir e você vem começa aí o pare de novo que começa a formação ainda não quero dinheiro se Deus ajudar

E como ela é E aí bom valeu tchau e eu posso sua aqui depois da travessia da balsa você pode decisão de Manaus faz falta a razão com a chuva forte que cai não assusta mais já deixamos o pior trecho da estrada o problema agora é a visibilidade passamos a dirigir com

Cautela Pois cada buraco representa um perito a chuva que cai é o anúncio do inverno que vem chegando as máquinas que agora encontramos paradas são as mesmas que estão trabalhando na recuperação da br-319 infelizmente é assim que elas devem ficar até o final da estação chuvosa a obra deve continuar Mas apenas

Com pequenos serviços que executa o trabalho nessa parte da estrada é a construtora gautama uma das 8 horas contratadas pelo Governo Federal para recuperação da 300/19 o trecho que a construtora trabalha possui 204 km grande parte já foi terraplanado em outros até o asfalto já foi aplicado são

Os homens e 40 máquinas trabalhando para recuperar estrada em tempo normal sem chuva estamos produzindo bem nós vai conseguindo fazer coisa que eu pensava que a gente nem ia conseguir atingir mas nós já estamos com 2km de assalto de as fotos prontos com sua você não pode

Trabalhar de jeito não tem condições aí então enquanto tiver chovendo assim é feito tá chove dois dias atrás de sol a gente aproveita o máximo mas a hora que o inverno mesmo é chegar e fixar aquele tempo chuvoso não aí tem que não tem outro remédio para alisar as máquinas

Encostar esperar o verão do ano que vem estamos perto de Manaus faltam apenas 150 km mas Aventura ainda não acabou a319 muda os atoleiros e as velhas Pontes tão lugar a uma estrada nova e sinalizada agora sim parece que estão E a federal aceleramos um pouco passo

Para tentar pegar a última balsa da travessia Careiro da Várzea am Manaus que sai às 8 horas da noite a escuridão chega novamente estamos apreensivos em não chegar a tempo para o último obstáculo da Aventura conseguimos ali ao fundo está Manaus o ponto final de nossa viagem a travessia leva uma hora quatro

Dias e 881 km de Porto Velho a Manaus pela br-319 chegamos ao Marco Zero Aqui termina Nossa Aventura pela estrada que pretendia ligar a Amazônia ao resto do Brasil hoje o que sobrou da estrada foi muito buraco e pessoas que acreditar em um sonho que ainda não acabou o E aí

E eu não tenho me bem aí Vamos ou não [Música] ela vai

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo